>, Notícias Rádio UERJ>Perigos da automedicação em época de pandemia

Perigos da automedicação em época de pandemia

Por |2020-05-11T15:39:35+00:0014 de maio de 2020|

Olá, ouvintes! Nesse décimo quarto e último dia do nosso projeto “COVID
na Rádio Uerj”, gostaríamos de agradecer nossa parceria até aqui. Hoje iremos falar sobre os perigos da automedicação durante a pandemia causada pelo novo Coronavírus.

Se automedicar, ou seja, tomar medicamentos por conta própria, sem
orientação de um profissional, pode trazer vários perigos para sua saúde. O uso incorreto de medicamentos pode levar a efeitos colaterais, intoxicações ou dificultar o diagnóstico de uma doença. O uso de um medicamento pode ainda interferir no efeito de outro e prejudicar o tratamento. Portanto, quando você receber informações de medicamentos que podem ser usado no combate à COVID-19, não compre ou use por conta própria, busque sempre informações de profissional da saúde de sua confiança.

Os medicamentos atualmente aprovados para uso no tratamento dos sintomas leves da COVID-19 são antitérmicos e analgésicos. Dentre esses, os mais recomendados pelo Ministério da Saúde são a dipirona e o paracetamol. Esses remédios são usados para alívio da dor de cabeça, dor no corpo e da febre. Ao tomar esses medicamentos, assim como qualquer outro, deve-se sempre ficar atento a dose e ao intervalo de tempo entre cada tomada. Consulte sempre seu médico ou farmacêutico de confiança.

O uso de ibuprofeno deve ser evitado. Principalmente em pacientes com doenças renais, hipertensão, diabetes e problemas no fígado. Para quem tem esses problemas, o uso do ibuprofeno pode causar prejuízos à saúde.

Outro exemplo em que a automedicação pode ser prejudicial é o caso de uso da hidroxicloroquina e cloroquina. Esses medicamentos estão sendo estudados para o tratamento da COVID-19. Mas já sabemos que esses medicamentos não evitam que as pessoas fiquem doentes devido ao Coronavírus e tomá-los por conta própria pode levar a sérios problemas, como o desregulamento do batimento cardíaco e até mesmo parar o funcionamento do
coração em casos mais graves.

Apesar desses dois medicamentos tratarem outras doenças, como o lúpus e a malária, atualmente eles estão sendo usados SOMENTE dentro dos hospitais em pacientes internados no que se refere a COVID-19. Além disso, vale ressaltar que esses medicamentos só podem ser vendidos com a retenção de receita.

É importante lembrar! Para evitar problemas com medicamentos em qualquer momento da sua vida, você sempre pode consultar um farmacêutico. Ele poderá tirar qualquer dúvida que surgir sobre sua medicação e te orientar da
melhor maneira possível.

Esse foi mais um boletim informativo da Rádio Uerj em parceria com o Núcleo de Ensino e Pesquisa em Farmácia Clínica da Universidade Federal de São João Del-Rei, campus Divinópolis-MG, coordenado pelos professores pesquisadores André Baldoni e Mariana Linhares.