Você, que é carioca, se preocupa com as propostas de ciência , tecnologia e inovação no nosso estado?

Porque a UERJ, sim! E como!

A fim de unir esses três pilares, a Universidade deu início ao ciclo de encontros Uerj com RJ, que acontece todas as terças-feiras de maio, às duas da tarde, no Teatro Noel Rosa, no Campus Maracanã da Uerj. O evento tem como objetivo discutir com diversos especialistas propostas para o RJ pós-pandemia. A iniciativa das palestras é da Diretoria de Comunicação Social da Uerj com o Centro de Estudos Estratégicos e Desenvolvimentos, com apoio da Faperj.

A cada semana, o UERJ com RJ fala de uma temática diferente, e na estreia, o bate-papo foi sobre Educação e Ações Afirmativas, com participação da ex-reitora da UEZO Luanda de Morais, agora superintendente das Unidades Estratégicas da Uerj, o professor do Iesp-Uerj, João Feres Junior, a professora da Faculdade de Educação EDU/UERJ, Daniela Frida, e Ana Paula Silva do Pró-Índio/Uerj.

A abertura do evento contou com a participação do reitor Mario Carneiro, da diretora da Comuns – Diretoria de Comunicação Social, Ana Cláudia Theme, do presidente da Faperj, Jerson Lima, e do diretor do Ceed, Egberto de Moura.

Para a diretora da Comuns, a realização dos encontros é essencial para divulgar o conhecimento produzido dentro da Universidade e discutir sobre temas tão atuais e que fazem a diferença na vida da população do Rio de Janeiro.

Ana Cláudia Theme também destacou que a produção de conhecimento na Universidade se dá sem fronteiras.

“Ela não se dá restrita às suas unidades acadêmicas, elas acontecem nas unidades administrativas, ela acontece por meio de um corpo de profissionais que inclui docentes e não docentes. A produção de conhecimento não conhece fronteiras e na UERJ isso é uma realidade, e a Comuns, o Ceed, e muitos outros setores da UERJ provam isso todos os dias”

O magnífico reitor Mário Carneiro também comentou que deve-se discutir, dentro da Universidade, os efeitos sociais da pandemia e como resolvê-los, com a finalidade de preparar o Rio de Janeiro para esta situação pandêmica, e possíveis outras similares.

Com as explanações iniciais, a professora Daniela Frida trouxe para a conversa a necessidade de um mapeamento institucional de pessoas trans e travestis para prever a implementação de reserva de vagas para esse público.

Além disso, a superintendente das Unidades Estratégicas, Luanda de Morais, também demonstrou preocupação com a função de comunicação das universidades.

“O papel da Universidade é fazer a ciência, comunicar a ciência, a tecnologia e inovação produzida aqui dentro para a sociedade”

Após os discursos, os palestrantes também responderam perguntas sobre interiorização da educação, política de informação e ensino a distância.

Você pode acompanhar essa e as próximas transmissões do evento ao vivo pelo canal da TV Uerj no Youtube.

Participe!

Confira também a entrevista de uma das palestrantes, Luanda de Morais, para a Rádio UERJ:
http://www.cte.uerj.br/programa-radio-uerj/uerj-entrevista-programa-radio-uerj/a-importancia-das-acoes-afirmativas-para-a-inclusao-social/

Diretamente do Rio de Janeiro para a Rádio Uerj, Beatriz Pereira.