Em cerimônia realizada na Academia Brasileira de Ciências (ABC), no Centro do Rio, a Fundação Carlos Chagas Filho de Amparo à Pesquisa do Estado do Rio de Janeiro celebrou, na tarde do dia 19 de fevereiro, o repasse de verbas para setenta projetos científicos do Programa de Apoio à Jovem Cientista Mulher com vínculo em Instituições de Ciência e Tecnologia do Estado. No total, o edital disponibilizou R$ 13 milhões em recursos, um dos maiores investimentos destinados exclusivamente ao público feminino.

O evento também marcou o relançamento da 2ª Edição do Programa Meninas e Mulheres nas Ciências Exatas e da Terra, Engenharias e Computação, em homenagem ao Dia Internacional das Mulheres e Meninas na Ciência, comemorado em 11 de fevereiro. O edital prevê incentivos para despertar o interesse vocacional de alunas da Educação Básica até o Ensino Superior. Desta vez, serão concedidos R$3,5 milhões para o financiamento dos projetos com possibilidade de bolsas nas modalidades de Pré-iniciação Científica, Iniciação Científica e Treinamento e Capacitação Técnica.

Segundo a Diretora Científica da Faperj, Eliete Bouskela, ambas iniciativas são fundamentais para dar espaço às meninas e estimular o desejo de se tornarem cientistas, em meio a um cenário repleto de obstáculos.

“Mas a gente precisa incentivar a produção científica. Então, eu acho que quanto mais cedo a gente fizer isso, melhor. Eu sou favorável não só para meninas como para meninos também, evidentemente, as meninas têm menos oportunidades. O problema mais grave é que a menina em princípio acha que ela não consegue chegar lá, então ela nem tenta”, reflete Bouskela.

Além disso, ela ressaltou que apesar do avanço ainda há um longo caminho a ser percorrido em busca da equidade de gênero nas áreas das ciências.

“Houve uma série de artigos na Science mostrando que a mulher só tem carreira em países onde existem empregada. Fora disso não tem, então a gente tem um longo caminho pela frente”, completa a Diretora.

De todas as contempladas, treze são da Uerj, dentre elas, a professora Maria das Graças Coelho, do Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes (IBRAG). A pesquisadora enfatizou que o investimento vai permitir que sua pesquisa com biomarcadores da via tromboinflamatória na doença falciforme promova um tratamento mais digno às pessoas negras e pobres, grupo social mais acometido pela enfermidade.

“Eu fico muito feliz de receber esse auxílio e poder ajudar essas pessoas. Melhorar a qualidade de vida dessas pessoas e a expectativa de vida também que é bem curta, porque sofrem muito com dores e eventos tromboembólicos. Então poder ajudar de qualquer forma a melhorar o estado de saúde dessas pessoas não tem preço”, comemora Maria das Graças.

Outra premiada, a professora Maira Grove do Instituto de Ciências Sociais (ICS), pesquisadora de valores de gênero, família e trabalho na última década, celebrou o recebimento do prêmio e explicou quais objetivos pretende alcançar com esse investimento.

“A gente está muito feliz e muito contente, porque temos certeza que o resultado que vamos apresentar para a sociedade é muito pertinente, muito importante para a formação de políticas públicas visando uma maior igualdade de gênero”, declara Maira Grove.

A reitora da Uerj, professora Gulnar Azevedo e Silva, também prestigiou o evento, salientando o compromisso de sua gestão com a inclusão de mais mulheres nas ciências e parabenizando a Faperj pelas iniciativas.

“Eu quero dizer que nós vamos dar todos os apoios necessários para que mais meninas, mais estudantes, mais pessoas que venham a entrar na UERJ tenham essa mesma oportunidade… Entender que a Faperj está fazendo essa iniciativa tão necessária e está dando para as mulheres a possibilidade de elas conseguirem espaços que antes não eram reservados a elas é muito necessário, é muito importante. Então a gente tem que reconhecer que a Faperj está trilhando o caminho que é o caminho esperado por nós mulheres”, reforça a reitora.

A solenidade “Meninas e Mulheres na Ciência: avanços e perspectivas” também contou com a presença da presidente da Academia Brasileira de Ciências, Helena Nader; do presidente da Faperj, Jerson Lima; da presidente da Comissão de Equidade, Diversidade e Inclusão da Faperj, Leticia de Oliveira e de outras autoridades como a Deputada Estadual, Elika Takimoto e a Secretária de Ciência e Tecnologia da cidade do Rio, Tatiana Roque.

Com colaboração de Cristina Lameira e Eduardo de Souza, do Rio de Janeiro para a Rádio Uerj, Lorenna Rocha.